A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Imagem
GUERRAS: COLONIAL E CIVIL - INDEPENDÊNCIA - ETNIAS HISTÓRIA - O 25 DE ABRIL E A DESCOLONIZAÇÃO

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Sexta Ago 21, 2009 2:53 pm

Documentario sobre la guerra civil angolana y la ayuda prestada por Cuba para su liberación del colonialismo.







Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Quarta Set 02, 2009 4:23 pm

March 1996
A convoy carrying food supplies crawls slowly across Angola's border. Peace in this country progresses at much the same pace. Every week a Joint Commission of UNITA and MPLA leaders meet in the capital, Luanda, to wrangle the peace accord forward. The main item on the agenda is UNITA's delay in demobilising its army. Soldiers straggling in from the bush to hand over their guns is a familiar sight in Angola. In the most destructive phase of the twenty year old war, government-held towns like Kuito suffered savage bombardment. Kuito's citizens scrabble a living in the ruins of their homes. Once the children died from shellfire, they now die from malnutrition. Listless babies sit on the dusty ground, oblivious of the flies which buzz around their faces. Their fathers' fields are sown not with seeds but with landmines. While welfare is at its lowest in Angola, the elite in Luanda have grown rich off economic spoils. UNITA lays claim to the diamonds while the MPLA drills for oil. The citizens of Kuito gather in a wrecked church to sing for peace.. Will their leaders ever hear the people's hymns for peace?
Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Quarta Set 02, 2009 4:25 pm

1 August 1999
A feature on the Angolan civil war.
Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Segunda Out 12, 2009 11:09 am

Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Segunda Out 12, 2009 11:15 am

CIA activities during the 1975 Angolan revolution.



Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Segunda Out 12, 2009 11:17 am

The Angolan Civil War began in Angola after the end of the war for independence from Portugal in 1975.

The war featured conflict between two primary Angolan factions, the Communist MPLA and the anti-Communist UNITA. Yet a third movement, the FLEC, an association of separatist militant groups, fought for the independence of Cabinda.

Formally brought to an end in 2002, an estimated 500,000 people were killed in the 27-year war. The Angolan Civil War was one of the largest, longest and most prominent armed conflicts of the Cold War. Both the Soviet Union and the U.S. considered it critical to the global balance of power and to the outcome of the Cold War.

In addition to the war's two primary factions (the MPLA and UNITA), several other factions also were engaged in the conflict. The Popular Movement for the Liberation of Angola's (MPLA) base is among the Kimbundu people and the multiracial intelligentsia of Luanda. The MPLA, supported by the Soviet Union and the Eastern bloc, fought against the National Liberation Front of Angola (FNLA), an organization based in the Bakongo region of the north and allied with the United States, the People's Republic of China and the Mobutu government in Zaïre. The United States, apartheid South Africa, and several other African nations also supported Jonas Savimbi's National Union for the Total Independence of Angola (UNITA), whose ethnic and regional base lies in the Ovimbundu heartland of central Angola.

Addis Ababa administration Africa African National Congress against Agostinho Neto aid agencies airport Americans Angola Angolan government apartheid areas arms army attacks Bailundo Benguela Benguela province Benguela railway Bicesse Boutros Boutros Ghali Brazzaville Cabinda Cabinda province camps capital Caxito cease-fire Central Highlands Che Guevara Chester Crocker civilians Clark Amendment Cold War Costa Fernandes Cote D'lvoire Crocker Cuando Cubango Cubal Cuban Cuito Cuanavale Cunene province demobilisation diplomatic Du Toit election Executive Outcomes FAPLA Fidel Castro fighting FNLA forces foreign Gbadolite Harare Herman Cohen Holden Roberto hospital Huambo Huila province Hutu Idi Amin independence Interahamwe international community Jamba Joe Slovo John Stockwell Jonas Savimbi Julius Nyerere Kamina Kenneth Kaunda kidnapped killed Kinshasa land mines Lara leaders leadership Lobito Luanda Lubango Luena Lusaka Lusaka Accords Magnus Malan Malange Malawi Marrack Goulding Mavinga Mbanza Congo Menongue mercenaries miles military Minister Miss Anstee Mobutu months Mozambique MPLA MPLA's Namibia Ndalatando Negage negotiations officials organisation orphanage outside Ovimbundu Party Pat Buchanan Paulo Jorge peace peasants per cent Pik Botha plane political Portugal Portuguese President dos Santos Pretoria province Quilengues radio region Renamo Robert Mugabe Rwanda Rwandan genocide Salupeto Pena Samora Machel Saurimo Savimbi himself sleeping sickness South African South African army South Kivu Soviet Union Soyo Swapo talks Tanzania Tito Chingunji town Tutsi Uganda Uige Unita Unita soldiers Unita troops Washington weeks World Food Programme Xangongo Yoweri Museveni Zaire Zairian Zambia
Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Segunda Out 12, 2009 11:26 am








Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor anabela em Segunda Out 12, 2009 6:03 pm

A Batalha da Ponte 14 (entre a Cela e Quibala)
(Operação Savana - Angola 1975)

por Richard Allport

A batalha da ponte 14 ocorreu em Dezembro de 1975 durante a Operação Savana em Angola e é pouco conhecida fora da África do Sul, embora representasse a maior derrota das forças comunistas em Angola - o MPLA e os cubanos - por tropas Sul Africanas. Parte da razão é que as únicas historias detalhadas desta operação publicadas até à data, foram escritas em Afrikaans e ninguém a têm ainda traduzido para inglês. Durante esta batalha muitos soldados Sul Africanos ganharam a Cruz de Honra (1).

A ponte 14 era situada no rio o Nhia, na rota da Cela para Quibala. Em Novembro O Grupo de Batalha Foxbat tinha desbaratado uma força do MPLA, a qual recuou através desta ponte e então rebentou-a. O avanço das forças Sul-Africanas ao longo da única estrada alcatroada para Quibala foi obrigado a parar no rio Nhia - devido às grandes chuvadas na área e ao terreno pantanoso, a ponte era o único meio de atravessar com veículos pesados. Imagem
Na altura da batalha, o governo Sul-Africano tinha tomado já a decisão para retirar suas forças de Angola devido à falta de apoio que a África do Sul e Unita estavam a receber do oeste. Entretanto, enquanto a decisão estava a ser tomada, as hostilidades recomeçaram em Angola.

O coronel Swart, CO da Força de Ataque Zulu, procurou saber o que o inimigo estava a fazer na ponte e assim o Comandante Breytenbach enviou o Sargento Danny Roxo com um pelotão de infantaria e um par de carros blindados para a área da ponte para reconhecimento.

Pouco depois a força principal ouviu o som da batalha, incluindo fogo de morteiro. À distância os dois carros blindados foram vistos voltar à força principal a toda a velocidade, seguidos de perto por explosões de granadas. Breytenbach ordenou os carros para retornar e assistir Roxo e a infantaria, mas os comandantes recusaram, dizendo que a barragem era muito intensa.

Então a infantaria apareceu na estrada e poucos minutos depois Roxo e seus homens tinham subido para os carros blindados e voltado às posições da força principal. Roxo relatou que a ponte fora abaixo e mencionou que alguns soldados inimigos tinham sido mortos durante seu reconhecimento.

Mais tarde Breytenbach ouviu a história completa de dois prisioneiros evadidos que tinham escutado os cubanos discutir o encontro com o Roxo com algum temor. Como Roxo tinha avançado para verificar a ponte, vira um cubano à distância e abateu-o. Roxo começou a recuar e mais tropas inimigas então saíram da protecção e começaram a disparar nele. Retornou o fogo matando onze inimigos, quatro deles cubanos. Foi-lhe concedida mais tarde a Cruz de Honra por este reencontro. (2)Imagem
Ponte do Rio Nhia (foto net)
O avanço de Foxbat para Quibala foi agora também impedido no rio Nhia por uma forte força de artilharia, as quais incluíam Orgãos de Estaline e uma força combinada de infantaria cubana e das Fapla. Foi necessário por isso não só restaurar a ponte - a única maneira de atravessar - mas ao mesmo tempo eliminar uma força inimiga superior.

Foram enviados observadores para um monte próximo nomeado "Chapéu Alto", e colocado um OP (Posto de Observação) do qual poderiam ver a ponte. Podiam também observar o inimigo instalando posições de morteiro num cercado próximo e pediram fogo de artilharia da Africa do Sul, que eliminou logo a posição. Os observadores foram também capazes de fazer fogo num carro blindado e contra a posição de um foguete "Olho Vermelho" (3) ambos dos quais foram destruídos.

Mais tarde, deste ponto, os Sul Africanos foram capazes de observar as tropas cubanas e das Fapla passando a vau o rio perto do local da ponte. Uma vez mais eles pediram fogo de artilharia, criando devastação no inimigo surpreendido, o continuo explodir de granadas matando muitos deles. Dois helicópteros das Fapla foram enviados para eliminar o OP, o qual o inimigo agora conhecia nesta área, mas não foi descoberto. O cabo observador Andre Diederichs, permaneceu lá por quase um semana antes de regressar às linhas Sul Africanas. Diederichs foi um membro do comando de elite Recce, mas tinha pouca experiência como um observador de artilharia e tinha que ser treinado por rádio no procedimento correcto.

Os reforços chegaram para a força Cubana/Fapla na primeira semana de Dezembro e montaram um HQ e armazém de munições justamente ao norte do rio. Uma patrulha do "Comando 1 Recce" tentou alcançar o local a pé mas foi incapaz de cruzar o rio, agora cheio pela forte chuva. Duas noites mais tarde, em 7 Dezembro, aterraram no lado norte num helicóptero, mas logo depois passando um cercado de gado foram localizados pelo inimigo e atacados com fogo de metralhadoras. O sargento Frederick Wannenburg, seu líder, foi incapaz responder ao fogo da sua posição, e movendo-se de cobertura em cobertura, abriu fogo continuamente. Apanhado eventualmente num fogo cruzado foi ferido no estômago e em diversos outros lugares. Sgt. Major Johannes Conradie tomou então o comando reagrupando os homens e enviou um pequeno grupo o qual enfrentou o inimigo e, embora sob o forte fogo a curta distância, forçou-o a recuar. Enquanto um helicóptero seria chamado para evacuar a patrulha, Wannenburg tinha morrido. A ambos ele e Conradie foi-lhes concedida a Cruz de Honra.

Em 9 de Dezembro o inimigo tinha-se retirado para posições mais para trás do rio e tinha abandonado tentativas de defender a ponte, principalmente por causa do fogo de artilharia perfeitamente exacto da Africa do Sul.

O resto das tropas Sul africanas do grupo de combate foi trazido para a frente para tomar posições perto do lado sul da ponte.

Em 10 de Dezembro a engenharia começou a reconstruir a ponte, usando troncos Bluegum da floresta próxima, mas o inimigo começou logo a concentrar o seu fogo na área da ponte. Dois dos coordenadores Sul Africanos foram mortos durante o bombardeamento pesado e todos os esforços pata reparar a ponte foram abandonados temporariamente.

Uma patrulha de infantaria e sapadores cruzou a ponte cedo na manhã seguinte para levantar as minas da estrada no lado norte. Uma patrulha de cubanos atacou-os, matando um homem da infantaria e ferindo um dos sapadores. Os cubanos recuaram, mas então uma patrulha das Fapla apareceu. Na luta que se seguiu todos foram mortos, mas já estava demasiado escuro para os Sul Africanos encontrarem o caminho de volta para a ponte através das posições inimigas na sua vizinhança.

Eles fizeram o seu caminho para o rio, e como tiveram um homem ferido, o tenente Heyns nadou no rio três vezes durante a noite para pedir ajuda e abastecimentos médicos. O soldado foi gravemente ferido, entretanto, e finalmente um médico atravessou o rápido do rio com a ajuda de uma corda e foi guiado através do pântano até à patrulha. Diversos grupos de reconhecimento acompanhou-o, e quando as Fapla começaram o fogo sobre eles, afastaram o inimigo da patrulha em dificuldades. O Tenente Heyns e o médico ********am a o homem ferido sobre uma maca, tomando cobertura sempre que estavam debaixo de fogo. Um helicóptero evacuou mais tarde a vítima para a Cela, onde morreu mais tarde nessa noite. ImagemImagemQuibala
Em 11 de Dezembro a artilharia Sul Africana bombardeou as posições inimigas tornando a área suficiente segura para os engenheiros continuarem com os seus trabalhos de reparação da ponte, embora os foguetes "Red Eye" (Olho Vermelho) continuassem a cair perto deles. Os observadores que poderiam ver que os alvos sendo atingidos à distância advertiriam rapidamente os homens para que se abrigassem até que as explosões acabassem e poderiam continuar com seu trabalho.

Durante a tarde de 11 de Dezembro o CO da força de intervenção Zulu, Coronel Blackie Swart, fez uma visita às posições de Foxbat e os dois COs fizeram um reconhecimento rápido das posições inimigas. Swart indicou que era imperativo que sua força se começasse movendo outra vez, e Kruys concordou tentar terminar o trabalho para uma travessia nessa noite ou no dia seguinte.

Os sapadores suaram para colocar a ponte pronta a tempo e ao amanhecer de 12 de Dezembro e a artilharia Sul Africana preparou-se para um esforço supremo. A manhã estava enevoada e a artilharia atrasou o bombardeio até que os alvos inimigos se tornaram visíveis aos observadores.

O ataque pelos homens de infantaria e pelos carros blindados foi programado para ocorrer em três fases:

1. Um ataque central pelos carros blindados Eland e por uma companhia de infantaria para forçar o inimigo para a ponte 15 perto de Cassamba.

2. Um ataque por uma companhia de infantaria para tomar o "Kraal".

3. Um ataque por uma companhia da infantaria nas posições do monte para capturar a área elevada e depois ligar-se aos carros blindados da fase 1.

Em frente deles havia um batalhão de mais de 1.000 de infantaria, muitos deles tropas cubanas. Mais atrás armas anti-tanque, incluindo os mísseis de Sagger, instalados para cobrir a estrada que Foxbat teria que avançar. Em sua segunda linha da defesa as Fapla tinha diversos morteiros Cubanos 120mm, canhões de 75mm, e uma bateria inteira de 14,7mm anti-aérea junto com lançadores do foguete de 122mm.

A maioria das posições inimigas tinham sido localizadas com cuidado durante os dias precedentes pelos observadores e quando os Sul Africanos começaram com a barragem de artilharia pesada de batalha, o inimigo foi apanhado de surpresa. Alguns dos caminhões de munições das Fapla foram atingidos e explodiram. As posições de artilharia inimigas foram batidas e derrotadas, os morteiros cubanos receberam diversos ataques, matando a maioria do pessoal, e dentro de algumas horas a artilharia dos Sul Africanos estava em comando do campo de batalha.

Às 07:00 a fase 1 do ataque foi activada, com a fase 2 que segue quase imediatamente.

Os carros blindados rolaram sobre a ponte e após avançar aproximadamente 500 jardas combaterem o inimigo com fogo contínuo. Os carros posicionaram-se a 100 metros para os lados da estrada, confundindo o inimigo Sagger que estavam posicionados para fazer fogo sobre a estrada. A infantaria inimiga começou a recuar e um dos carros blindados surpreendeu uma posição de morteiro, destruindo seis morteiros com um de os seus obus de 90mm.

Quando eles acabaram as munições, três Elands adicionais foram enviados para tomar o seu lugar. O segundo tenente Van Vuuren, no comando da segunda unidade, rolou após o primeiro grupo e recebeu então um aviso de que os tanques cubanos se estavam aproximando pelo norte. O fogo de artilharia inimigo estava ainda explodindo em torno dos carros quando um caminhão russo em retirada completamente cheio de tropas cubanas conduziu atrás dos Elands.

De início De início Van Vuuren pensou eles cercaram as suas próprias tropas num veículo capturado (muitos foram usados pelos Sul Africanos), mas uma mensagem de rádio rápida confirmou que eles tinham de ser o inimigo. Os ocupantes do caminhão aparentemente foram confundidos também. Não fizeram fogo, mas tentaram ultrapassar passar o Elands, usando os piscas do caminhão para sinalizar a sua intenção. Van Vuuren esperou que eles ultrapassassem o seu Eland e disparando um obus de 90mm na parte traseira do caminhão, matou todos os seus 20 ocupantes cubanos.

Os carros blindados moveram-se então para a frente para um fazenda, onde outros 20 cubanos estavam na rua, aparentemente em conferência. Van Vuuren entretanto tinha ficado sem munições para o Elands, e ordenou aos seus comandantes que fechassem escotilhas. Os cubanos avançaram sobre os Elands e começaram a abrir fogo. Van Vuuren rispostou com uma pistola, disparando através de um escotilha da torrete e matando onze dos cubanos que tentavam escalar os carros blindados. Mais tarde soube-se que os cubanos tinham fumado o marijuana na fazenda, o que explicou o seu ataque desastrado sobre os Elands

Os carros blindados tinham avançado tão rápidamente que a infantaria tinha sido incapaz de prosseguir com eles. A fase 2 do ataque tinha sido realizada de acordo com o plano, com pouca resistência sendo oferecida na pequena aldeia que tinha sido abandonada pelo inimigo depois de os obuses da artilharia Sul Africana começarem a cair nela. Eles deixaram para trás as suas armas pesadas e munições.

A fase 3 tinha sido atrasada depois de o comandante da infantaria da Unita ter sido ferido ligeiramente e os seus homens recusarem continuar sem suporte de carros blindados. O seu ataque foi por isso feito e terminado pelas tropas da fase 2.

O grupo de batalha Foxbat não fez como planeado originalmente, parou em Cassamba, mas continuaram a lutar e avançar até que alcançaram a Ponte 15. O inimigo lutou duramente para permanecer na posse da área, mas os seus blindados tinha recuado depois de um dos seus carros blindados ter sido batido pelo fogo de artilharia.

Pelas 12:00 o ataque tinha terminado e as tropas começaram a consolidar suas posições.

Pelas 13:00 tinha começado a chover torrencialmente e o movimento da tropa severamente impedido, embora os engenheiros continuassem a trabalhar na ponte. A área entre os montes e Almeida foi agora estava agora em segurança e patrulhas de tropas Sul Africanas e carros blindados começaram a limpar a área das restantes bolsas das tropas inimigas.

A estrada para a Quibala estava agora aberta e os Sul Africanos moveram-se para a frente para cerca de 6 quilómetros a norte de Almeida, embora as áreas minadas e os bombardeamentos por foguetes "Olho Vermelho" retardassem o avanço da Força Especial Zulu.

Quando a notícia do ataque bem sucedido de Foxbat foi recebida no HQ os oficiais da equipe ficaram surpreendidos. Em virtude da decisão da África do Sul se retirar de Angola, uma mensagem tinha sido enviada para a Cela cancelando a operação para capturar a Ponte 14 mas isto chegou somente ao coronel Swart depois da batalha ter terminado.

A vitória na ponte 14 fora tão completa que o CO de Foxbat, brig. George Kruys, teve que conter os comandantes dos carros blindados de perseguir mesmo após a retirada do o inimigo, uma ordem que aceitaram com alguma relutância. Kruys sabia que sua força era demasiado pequena para ser capaz transformar o recuo numa derrota de larga escala.

Durante a batalha os Sul Africanos perderam quatro homens mortos. Os cubanos e o MPLA perderam mais de 400 homens, embora o número exacto fosse difícil de verificar, como a BBC relatou mais tarde, os camiões de carga dos cadáveres estavam constantemente dirigindo-se fora da área, para o norte. Entre os mortos cubanos foi o comandante da força expedicionária cubana, comandante Raul Diaz Arguelles.

Embora os Sul Africanos tivessem decido sair de Angola em Janeiro, Lt. Gen. Magnus Malan visitou a frente em 15 de Dezembro e disse a todos os comandantes que embora não recebessem nenhum reforço adicional, eles deveriam capturar e tomar tanto território como possível com as tropas disponíveis.

Para os Sul Africanos a batalha pela Ponte 14 foi uma operação altamente bem sucedida e provou que a velocidade, surpresa e uma agressiva ofensiva poderiam alterar o balanço em favor de uma força numericamente mais fraca com poucas armas pesadas. A exactidão da artilharia Sul Africana desempenhou um papel chave na captura da ponte e em permitir ambos Zulu e Foxbat de continuar a avançar para o norte. O inimigo cometeu o grave erro usando as posições permanentes para sua própria artilharia, mudando os canhões de lugar para lugar em intervalos regulares, em vez de encontrar posições novas como os Sul Africanos fizeram. Os observadores podiam registar todos seus locais como alvos e simplesmente esperar que a artilharia do inimigo chegasse em cada local antes de fazer fogo sobre eles.

Fontes:

Brug 14 - article by Brig. G.P.H. Kruys, Paratus, May 1993.
Cross of Honour - Ian Uys
Avontuur in Angola - S. du Preez
They Live by the Sword - Col. J. Breytenbach
Angola, Operasie Savannah 1975-1976 - F.J. du T. Spies

Notas

1. Cruz de Honra – Principal condecoração da África do Sul.

2. A coragem excepcional de Roxo é evidenciada pela maneira como morreu alguns meses mais tarde. Durante uma patrulha perto do rio de Okavango, seu Lobo bateu numa mina terrestre e foi derrubado, matando um homem e esmagando Roxo debaixo dele. O restante do grupo tentou libertá-lo mas era demasiado pesado. Breytenbach escreveu:

Danny Roxo, de acordo com seu carácter destemido, decidiu fazer o melhor das coisas, acendendo um cigarro e fumando-o calmamente até terminar, então morreu preso debaixo do Lobo.

ImagemDaniel Roxo (foto Net)Não se tinha queixado uma vez, nem tinha expressado um único gemido ou queixume, embora a dor devesse ter sido excruciante.

Assim o sargento Danny Roxo morreu, um homem que se tornou numa lenda nas forças portuguesas da segurança em Moçambique, e o qual se tornou rapidamente noutra nas Forças Especiais da África do Sul. (Vivem Pela Espada, pp. 105).

3. "Rooi Oog" in afrikaans - o nickname das tropas para os Órgãos de Estaline BM21, lançadores múltiplos de foguetes fabricados na URSS.

Tradução livre.

anabela
Moderador de sala
 
Mensagens: 981
Registado: Sexta Maio 22, 2009 6:12 am

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Quinta Out 15, 2009 3:28 pm

Encostados ao jipe, algures numa base da guerrilha na II Região Político Militar do MPLA, quatro heróicos combatentes da luta armada de libertação nacional. Da esquerda para a direita, o comandante Pedalé, a seguir o Presidente José Eduardo dos Santos
Fonte: Mota AmbrósioImagem
Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Quarta Out 28, 2009 6:58 pm

In Angola the Intersos Mine Action Unit worked from 1997 to 2006, in the southern districts of Huila, Cuando Cubango (where an orthopaedic center for mine victims has been realized) and Cunene. After a first period of local structuring, focused on training of local operators, in 1999 Intersos started a mine clearance project in the Huila district. Afterwards, in 2001, Intersos realized another mine clearance intervention in the city of Menongue, Cuando Cubango district, an area with an heavy presence of unexploded ordnances. The activities involved coordinated actions including location and delimitation of dangerous areas, mine risk education and emergency mine clearance actions. The activities carried out in less than ten years made safe more than 2000 km of road, cleared from unexploded ordnances thousands of squared meters of territory and educated the local population to mine risks, with a number of beneficiaries of some 700.000. In this context, more than 20.000 ordnances have been cleared and more than 400 operators where formed.
For more information about Intersos activities, please visit:

In Angola la Mine Action Unit di INTERSOS è stata operativa a partire dal 1997 fino al 2006, operando nelle province meridionali Huila, Cuando Cubango (dove è stato anche realizzato e gestito un Centro Ortopedico per lassistenza alle vittime delle mine) e Cunene. Dopo un primo periodo di strutturazione locale con interventi di addestramento e supervisione, nel 1999 INTERSOS ha avviato un progetto di bonifica nella provincia di Huila. Successivamente, nel 2001, INTERSOS ha realizzato un intervento di bonifica in unarea molto contaminata da ordigni esplosivi di ogni tipo nella città di Menongue, provincia di Cuando Cubango. Le attività hanno comportato azioni coordinate comprendenti lindividuazione, la segnalazione e la delimitazione delle aree pericolose, attività di informazione e educazione e interventi di bonifica di emergenza. Le attività svolte in poco meno di dieci anni hanno permesso di rendere accessibili e transitabili in sicurezza più di 2000 km di strade, di bonificare migliaia di mq di territorio e di informare e educare al rischio mine la popolazione residente, con un numero di persone liberate dalle mine di circa 700.000 persone. In questo contesto sono stati individuati ed eliminati più di 20.000 ordigni non esplosi fra mine ed UXOs ed addestrate ed equipaggiate circa 400 persone. Per maggiori informazioni sullattività di Intersos, visitare il sito
Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Alberto Santos em Quinta Out 29, 2009 1:32 pm

Dezembro de 2008
Na estrada Huambo-Chinguar-Kuito-Andulo são visíveis ainda, por todo o lado, as marcas da guerra civil angolana. As carcaças de veículos militares e os edifícios destruídos fazem parte da paisagem nesta estrada que foi palco dos mais violentos combates. By F.C., Novembro 2008.
Alberto Santos
Top membros
 
Mensagens: 661
Registado: Segunda Jul 20, 2009 9:48 am

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Alberto Santos em Quinta Out 29, 2009 1:48 pm

Documentário Alemão...
Alberto Santos
Top membros
 
Mensagens: 661
Registado: Segunda Jul 20, 2009 9:48 am

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Alberto Santos em Quinta Out 29, 2009 1:56 pm

Trabalho de Historia sobre a Guerra de Angola. Componentes: Filipe, Higuel, Tercio e Manuella. Colegio Integral !!!
Alberto Santos
Top membros
 
Mensagens: 661
Registado: Segunda Jul 20, 2009 9:48 am

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor Vitor Oliveira em Sexta Out 30, 2009 4:59 pm

Avatar do utilizador
Vitor Oliveira
Administrador do fórum
 
Mensagens: 5484
Registado: Sexta Abr 24, 2009 2:14 pm
Localização: Alferrarede - Abrantes - Portugal

Re: A GUERRA CIVIL ANGOLANA - VÍDEOS

Mensagempor francisco cachipemba em Domingo Jan 10, 2010 6:05 pm

33 Battalion SWATF
francisco cachipemba
Top membros
 
Mensagens: 240
Registado: Domingo Ago 02, 2009 11:15 am
---------

AnteriorPróximo

Voltar para ANGOLA: PASSADO PRESENTE E FUTURO

Quem está ligado

Utilizadores a navegar neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante

cron