ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

DESENVOLVIMENTO - SAÚDE - ECONOMIA - LIBERDADE - CRIMINALIDADE - LUSOFONIA

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Quarta Mar 24, 2010 4:53 pm

24-03-2010 17:20

BDA
Disponibilizados 60 milhões de dólares para apoiar projectos no Bengo

Caxito
-
Sessenta milhões de dólares foram disponibilizados pelo Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), para apoiar projectos na província do Bengo, destinados à melhoria das condições de vida da população, informou hoje (quarta-feira), o presidente do Conselho de Administração da instituição financeira, Paixão Franco.
O responsável do BDA fez esta afirmação num encontro entre o Governo do Bengo e empresários das áreas da agricultura, agro-pecuária, construção civil, comércio rural, hotelaria e turismo, bem como da indústria, geologia e minas, que possuem projectos para o desenvolvimento da província.
No encontro, Paixão Franco realçou a necessidade dos empresários apresentarem projectos que tenham fiabilidade e sustentabilidade para serem financiados pelo BDA.
Explicou que o banco pretende gizar um programa de capacitação de empresários, para que estes dominem as técnicas de estruturação de projectos, onde poderão igualmente constar as garantias de hipotecas.
O encontro foi orientado pelo governador da província do Bengo, João Bernardo de Miranda.
Durante a reunião os empresários apresentaram inquietações, com destaque para dificuldades no escoamento de produtos por carência de transporte, no acesso a créditos, bem como na aquisição de parcelas de terra para implementação de projectos.
João Miranda garantiu que vai trabalhar com empresários para resolver as questões que dificultam o rápido desenvolvimento da província, citando, como exemplo, a mecanização dos campos agrícolas, a criação de um sistema de transporte de carga para o escoamento dos produtos do campo e a melhoria das vias de acesso.
No encontro participaram empresários locais e estrangeiros de vários sectores que actuam na província do Bengo.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Quarta Mar 31, 2010 11:37 am


Bengo
Petromar financia projecto agrícola no Ambriz

Ambriz –
Cento e cinquenta mil dólares é valor financiado pela empresa petrolífera Petromar para apoiar projectos agrícolas no município do Ambriz, província do Bengo, soube hoje a Angop.
Em declarações à Angop, o chefe das comunicações e desenvolvimento da Petromar, Luís Liberato, explicou que o projecto agrícola designado “Alegria do Ambriz” é uma associação composta por 25 agricultores.
Luís Liberato realçou que a empresa está a preparar cinco mil metros quadrados de terra para serem entregues aos camponeses, no sentido de contribuir para a melhoria das condições de vida dos habitantes daquela localidade.
O município do Ambriz dista a 190 quilómetros a nordeste da cidade capital do Bengo (Caxito).
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Terça Abr 06, 2010 2:30 am

Kwanza Norte
Refrigerante "Cuia" vai ao mercado a 15 deste mês

Ndalatando -
A empresa de bebidas e refrigerantes "Refriango" colocará a 15 de Abril no mercado um novo produto denominado "Cuia", anunciou no domingo, em
Ndalatando, Kwanza Norte, o seu coordenador de marketing, Eurico Feliciano.
Em declarações à Angop, Eurico Feliciano disse que "Cuia" é um refrigerante que mais se destinará a crianças de até 15 anos de idade.
"Cuia vai ser um motivo de muito orgulho, sabendo que 46 porcento da população angolana tem menos de 14 anos de idade", referiu, tendo acrescentado que, para além de ser uma marca, tal produto tem interesses comerciais.
Para o coordenador de marketing da Refriango, o novo produto da empresa tem uma responsabilidade social enorme no que diz respeito à relação entre si, as crianças e as escolas.
O produto, ainda sem preço, será embalado em pacotes de 200 mililitros, para facilitar o seu manuseamento nas mochilas escolares.
A Refriango, uma empresa portuguesa que se encontra no mercado angolano desde 2005, tem uma unidade fabril em Viana, província de Luanda, e está presentemente a investir na expansão dos seus negócios no país, avaliados em 150 milhões de dólares norte-americanos, resultantes do investimento inicial, calculado em 22 milhões.
A firma é a responsável pela produção de marcas como os refrigerantes Blue, Red Cola e Spiid, dos sumos Tutti e Nutry, da água mineral "Pura" e do chá fresco "Nestin", entre outras bebidas.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor abílio em Sexta Abr 09, 2010 2:40 pm

Mais petróleo num bloco explorado pela ENI, Sonangol e Petrobras
A italiana Eni e a angolana Sonangol, principais parceiras num grupo de prospecção e exploração que integra também a brasileira Petrobrás, anunciaram hoje duas novas descobertas de petróleo em Angola, no bloco 15/06, situado no mar.


Os dois poços onde foi feita a descoberta, o Nzanga-1 e o Cinguru-1, situam-se a uma profundidade de 1 400 metros, nas águas a cerca de 350 quilómetros a noroeste de Luanda, refere um comunicado divulgado pelo grupo.

Durante os testes de produção, o poço de Cinguru atingiu uma capacidade máxima de 6 400 barris de petróleo por dia e o Nzanga 1 600 barris por dia, com potencialidade para futuramente exceder os 5 000 barris, com outros métodos de extracção.

A Eni tem 35 por cento e é o operador do bloco 15/06, enquanto a Sonangol E&P é a concessionária.

Os outros parceiros do grupo que faz a prospecção de hidrocarbonetos neste bloco são a Sonangol Pesquisa e Exploração, a SSI Fifteen Limited, a Total, a Falcon Oil Holding Angola, a Petrobras International Braspetro e a Staoil Angola.
abílio
Top membros
 
Mensagens: 275
Registado: Terça Jul 28, 2009 2:01 pm

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Segunda Abr 12, 2010 1:49 am

Presild
Angola podera ter dez mil lojas de proximidade

Luanda
– Dez mil lojas de proximidade Poupa Lá poderão ser construídas, em todo país, a longo prazo, em parceria público-privada,
anunciou hoje (sábado), em Luanda, o director do gabinete de comunicação e marketing do Presild, João Manuel Pedro.
Falando à imprensa por ocasião da inauguração de duas lojas de proximidade Poupa Lá, nos municípios de Kilamba Kiaxi e Samba, o interlocutor informou que o governo angolano pretende implantar em todo território nacional esse tipo de estabelecimento em regime de franquia, isto é, permitindo que o privado com espaço comercial use a marca e venda dos produtos dessa rede obedecendo os critérios pré-estabelecidos.
“Vai se criar sinergias com o sector privado para que estes participam do projecto”, disse João Pedro, acrescentando ser uma forma do Estado se libertar de iniciativas que deviam ser do sector privado.
Até 2012, segundo o responsável, pretende-se atingir a cifra de mil lojas de proximidade em todo país.
Actualmente já existem 19 lojas, uma na província do Huambo e 18 em Luanda, região com cerca de 50 por cento da população de Angola.
A rede de lojas de proximidade está inserida no Presild - Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e Distribuição de Bens Essenciais à População.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Quinta Abr 15, 2010 7:03 pm

15-04-2010 11:10

Economia
ANIP aprova projectos no valor de mais de USD um bilião

Imagem
Vista panorâmica da marginal de Luanda
Luanda - A Agência Nacional para o Investimento Privado (ANIP) Aprovou, até 30 de Novembro de 2009, projectos no valor de um bilião, 472 milhões e 312 mil dólares, superando a cifra de um bilião, 105 milhões e 84 mil dólares de 2008, soube hoje a Angop.
Os dados constam de um editorial do ano em curso, assinado pelo coordenador da Comissão de Gestão da ANIP, Aguinaldo Jaime, publicado no site da instituição.
“Se incluirmos os projectos aprovados pelo Conselho de Ministros, quer os novos, quer os de expansão, temos, até 30 de Novembro, um valor global de investimento privado não petrolífero de USD três mil milhões 306 milhões 551 mil e 10 dólares, e uma previsão de criação de 27 mil e 729 postos de trabalho, dos quais 23 mil e 42 para nacionais e quatro mil e 687 para estrangeiros”, esclarece o responsável.
Estes dados, realça, revelam que, apesar da crise, se reforçou a confiança dos agentes económicos, nacionais e estrangeiros, no potencial e no futuro da economia angolana.
Deste modo, salienta Aguinaldo Jaime, aumentam as responsabilidades da ANIP no esforço institucional colectivo, em curso, de busca da diversificação da economia e do desenvolvimento sustentável
Para melhor ***prir a missão que lhe foi confiada pelo Governo de Angola, indicou, a ANIP fez uma aposta séria no domínio das tecnologias de informação, com vista a ter maior proximidade com os potenciais investidores e maior eficiência e celeridade no processo de apresentação e tratamento das propostas de investimento privado.
A nova página web, criada em Fevereiro transacto, enquadra-se neste esforço. “O objectivo último é o de atrair para Angola mais e melhor investimento privado”, afirmou.
A ANIP desenvolve as suas actividades em conformidade com a Lei de Bases do Investimento Privado, que estabelece os requisitos para o investimento directo nacional e estrangeiro a realizar em Angola.
A Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado, que autoriza os incentivos concedidos a projectos de investimento privado e a Lei das Sociedades Comerciais, que estabelece as regras a que deve obedecer a constituição de sociedades em Angola.
Desde 2003, a ANIP participado no lançamento de mais de mil e 124 projectos que representam mais de quatro mil milhões de dólares em capital de investimento.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Sexta Abr 23, 2010 1:44 am

Huambo
Cidade acolhe fórum nacional de jovens empreendedores

Huambo
- A cidade do Huambo, centro sul de Angola, alberga sexta-feira, o fórum nacional de jovens empreendedores para traçar estratégias de apoio às empresas público/privadas.
O evento é uma promoção do secretariado do Comité Nacional da JMPA, terá 100 participantes e vai abordar o papel da banca no mercado empreendedor, bem como análise de projectos de investimento.
Estará também em debate as políticas de micro-crédito e de construção em Angola, a agricultura, planeamento e estatística, energia e águas, assim como indústria e urbanismo.
O fórum visa fortalecer a educação, capacitação profissional e treinamento, como forma de orientar o espírito empreender dos jovens e promover parcerias entre os participantes (empresas, instituições, académicos e políticos).
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Sábado Maio 01, 2010 6:15 pm

01-05-2010 6:55

Resenha económica
Balanço dos primeiros meses do executivo angolano constitui destaque da semana económica

Luanda
- A conferência de imprensa, convocada pelo executivo angolano para balancear os três primeiros meses de governação, constituiu o destaque do noticiário económico da semana, que hoje termina.
O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Carlos Feijó, ao fazer o balanço do trabalho desenvolvido pelo executivo, afirmou que o novo governo tem como principais apostas, a nível do sector produtivo do país, a redução das importações, o fomento das exportações, sendo pretensão do governo a adopção de estratégias direccionadas à produção variada de produtos.
Sublinhou que a análise feita à balança de importações e exportações possibilitou a identificação dos produtos de maior peso nas importações angolanas, tendo o executivo concluído que muitos deles podem ser produzidos no país.
Assim, segundo o Chefe da Casa Civil da Presidência da República, no quadro da estratégia do executivo, paulatinamente serão definidos que produtos terão primazia, indicando com recomendação do executivo que a Zona Económica Especial (ZEE), em Viana, seja posta imediatamente a funcionar para que alguns dos produtos que pesam na balança de importação possam ser produzidos localmente.
No sector eléctrico, Carlos Feijó referiu que este necessita de, até 2018, pelo menos 18 biliões de dólares norte-americanos para investir na produção, transporte e distribuição de energia, de modo a não comprometer o programa de industrialização do país.
No sentido de satisfazer as necessidades imediatas da cidade de Luanda, a fonte sublinhou que o governo vai construir na vila do Soyo, província do Zaire, uma central eléctrica de ciclo combinado com uma capacidade instalada de 400 megawatts.
Na província do Kwanza Norte, o executivo tem o projecto de ampliação da barragem de Cambambe através da construção de uma segunda central eléctrica que permitirá elevar a capacidade para 700 megawatts contra 180 actual.
No que toca à dívida pública contraída pelo Governo junto de alguns credores que operam no mercado nacional, frisou que a mesma poderá ser ressarcida até Junho, por forma a garantir liquidez às empresas que vivem dificuldades de tesouraria.
Para o efeito, disse, o executivo adoptou uma nova estratégia de pagamento consubstanciada na separação dos credores em três categorias, pequenos, médios e grandes.
No domínio agrícola, o ministro de Estado e da Coordenação Económica, Manuel Júnior, considerou importante o facto de haver disponível o crédito agrícola
para apoiar os agricultores nas campanhas anuais e garantir a sustentabilidade dos projectos agro-pecuários em curso no país.
Referiu que o governo aprovou uma linha de crédito especial avaliada em USD 350 milhões para agricultura, de modo a dar resposta às necessidades dos pequenos e médios produtores.
Apesar da crise financeira internacional que também afectou o país, o ministro frisou que a agricultura registou um crescimento de 29 porcento, a construção
23,8% e a energia 18,3 porcento.
Ainda durante semana, a ministra da Energia e Águas, Emanuela Vieira Lopes, reconheceu a falta de eficácia do sector energético dos países membros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) na busca de financiamentos para implementação de vários projectos do ramo eléctrico.
Ao falar em Luanda, na 31ª Reunião de Ministros da Energia da SADC, a governante afirmou que os países africanos não foram suficientemente “hábeis” para encontrar meios de financiamento que permitissem os países membros da comunidade estarem numa posição de conforto energético.
Segundo a governante, a grande maioria dos estados membros da SADC começou a ter sérias contrariedades no domínio energético, apesar de terem sido capazes de identificar a fragilidade do sistema.
Entretanto, o secretário de Estado angolano para Energia, João Borges, informou que Angola vai integrar num projecto de interligação energética da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), da qual fazem parte o Congo, a África do Sul, Namíbia e o Botswana.
Durante a semana a Agência Nacional de Investimentos Privados (ANIP) informou que a instituição aprovou, em 2009, 618 propostas de investimentos privado em sectores não petrolíferos.
O coordenador da ANIP, Aguinaldo Jaime, explicou que o referido valor de propostas representou um acréscimo na ordem de 30 porcento relativamente às aprovadas em 2008 e demonstrou haver confiança crescente na economia angolana.
Até 30 de Novembro de 2009, a ANIP tinha aprovado projectos no valor de um bilião, 472 milhões e 312 mil dólares norte-americanos, superando a cifra de um bilião, 105 milhões e 84 mil dólares de 2008, segundo dados constantes num editorial publicado no site da instituição.
Foi igualmente destaque da semana económica da Angop a Primeira Conferência sobre “Micro-Crédito - “Na base do Mercado Sustentável um Futuro Competitivo”, em Luanda, orientada pelo economista do Bangladesh Muhammad Yunus, seu percursor.
Na sua intervenção, Yunus considerou como "necessidade dos governos, bancos e empresas encararem o micro-crédito como um instrumento de eliminação da pobreza e de responsabilidade social".
Chamado “Pai do micro-crédito”, Muhammad Yunus disse que a concessão de micro-crédito não deve pressupor necessariamente a rentabilização do capital emprestado, mas servir de instrumento de potenciamento e auto-sustento dos beneficiados.
A primeira-dama de Angola, Ana Paula dos Santos, que participou da conferência, considerou o micro-crédito um mecanismo mais directo de se combater a pobreza e as desigualdades sociais.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Terça Maio 04, 2010 8:27 pm

04-05-2010 16:08

Zaire
Administração do Tomboco investe mais de 50 milhões de kwanzas em projectos sociais

Mbanza Kongo
– Cinquenta e cinco milhões de kwanzas é o montante que a administração municipal do Tomboco, província do Zaire, investe desde finais do ano transacto, na construção e reabilitação de infra-estruturas de impacto social, no âmbito do Programa de Intervenção Municipal (PIM).
O administrador local, Gouveia Pedro da Silva, disse em declarações hoje (terça-feira) à Angop, que os projectos abrangem os sectores da educação, saúde, energia e águas e lazer e estão a ser implementados na sede municipal e na comuna de Kinsimba.
De acordo com a fonte, para a sede municipal estão em execução as obras de construção de um novo sistema de captação e distribuição de água potável à população, doze chafarizes, uma escola primária com quatro salas de aulas e um jardim.
Segundo o responsável, consta igualmente do leque de acções, com o termino previsto para o segundo semestre do ano em curso, a construção, na sede municipal, de um bloco operatório no hospital local para se acabar com a evacuação de pacientes em estado crítico para outros pontos da província e do país.
Quanto à sede comunal de Kinsimba, a cerca de 35 quilómetros da vila de Tomboco, Gouveia da Silva disse estar em execução a reabilitação da rede de iluminação pública e domiciliária da circunscrição, assim como a instalação de um novo grupo gerador.
Com uma superfície de 8 mil e 25 quilómetros quadrados, o município do Tomboco tem uma população estimada em 40 mil e 290 habitantes, subdivididos em três comunas, a sede, Kinsimba e Kinzau.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Sábado Maio 08, 2010 1:40 am

08-05-2010 0:53

Conferência
África prioriza parcerias estratégicas com o Brasil

Luanda –
O ministro angolano da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e Pescas, Afonso Canga, anunciou hoje (sexta-feira), em Luanda, que um dos objectivos dos africanos é o estabelecimento de parcerias estratégicas no sector agrário com o Brasil.
O governante prestou estas declarações à imprensa na qualidade de presidente da conferência regional da FAO para África, após o encerramento da reunião dos ministros da Agricultura africanos, decorrido de três a sete do corrente mês.
Afonso Canga falou a propósito da realização de 10 a 12 deste mês, em Brasília, capital política do Brasil, da "Reunião (diálogo) Brasil/África, em matéria de segurança alimentar, combate à fome e desenvolvimento rural.
No evento, uma iniciativa do presidente brasileiro, Lula da Silva, vão participar todos os ministros da Agricultura do continente africano que estiveram presentes na conferência que decorreu em Luanda.
Os líderes do sector agrário africano partem de Luanda directamente para Brasília, por este motivo, Afonso Canga referiu que será uma oportunidade para os ministros africanos da Agricultura e o Brasil abordarem as vias de troca de experiências.
Para o ministro angolano da Agricultura, Brasil é um país com bastante potencial agro-pecuário e tecnológico, capaz de transmitir as suas experiências no domínio da produção, investigação agrária, desenvolvimento rural e desenvolvimento do comércio rural.
Iniciada segunda-feira, com a reunião dos peritos, os participantes, durante os trabalhos da 26ª Conferência Regional da FAO para África, decidiram preservar as terras férteis para
cultivo e as marginais para os bio combustíveis, bem como o aumento dos investimentos na agricultura, visando o combate à fome e redução da pobreza, aumento das exportações e medidas de redução do impacto das alterações climáticas.
Aberta pelo vice-presidente da República, Fernando Dias dos Santos, no encontro abordou-se, entre outros assuntos, a problemática das alterações climáticas no continente, os desafios dos bio combustíveis e a estratégia de segurança alimentar.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Terça Maio 18, 2010 8:38 pm

18-05-2010 18:01

Economia
Embaixador afirma que desempenho do Mali foi pouco satisfatório
Imagem
Embaixador do Mali em Angola, Farouk Camara
Luanda - O desempenho económico do Mali ao longo dos 50 anos de independência, alcançada a 22 de Setembro de 1960, foi considerado hoje (terça-feira) em Luanda de pouco satisfatória pelo embaixador do país em Angola, Farouk Camara.
Em entrevista à Angop, o diplomata sustentou que o seu país se debate com problemas de gestão, uma vez que viveu, num longo período, num regime socialista, que planeava a construção de fábricas similares às existentes em muitos Estados africanos, impossibilitando-lhes de encontrar um mercado para a comercialização dos bens e dos produtos manufacturados.
“Se o Senegal, o Mali, o Burkina Faso, a Côte d'Ivoire, a Nigéria e outros produzirem os mesmos produtos a quem vamos vender a produção?”, interrogou-se Farouk Camara, salientando que além do problema da falta de mercados em África, havia também
desigualdade nas trocas comerciais entre o continente e o Ocidente.
O diplomata esclareceu que se o Mali produz amendoim e girassol e vende essas matérias ao Ocidente que os compra barato, importando depois óleo refinado da França, num preço dez vezes superior, há um desequilíbrio nas relações económicas.
Salientou que a desigualdade acontece no seu país e em todos os países africanos, por isso defende a união dos países África para diminuir a dependência económica da Europa, com vista a obter uma independência nesse domínio.
Disse que a esperança do seu país reside, actuamente, na extracção mineira de ouro, ferro, urânio, entre outros.
Informou que foram descobertos no Mali grandes reservas de ferro de alta qualidade, avaliadas entre 85 a 100 milhões de toneladas, que vai permitir a fabricação de aço, cuja extracção vai começar em 2011, iniciando-se também no mesmo período a exploração
das reservas de urânio, descobertas em anos anteriores.
Sustentou que no plano económico, os recursos minerais existem, mas a pergunta que se coloca é se o Mali vai beneficiar efectivamente da sua exploração.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Quarta Maio 26, 2010 6:58 pm

26-05-2010 11:23

Investimento
Angola contará com primeiro centro de navegação marítima

Sumbe
Dezassete milhões de euros, dos 60 milhões previstos, estão a ser investidos pela Sonangol na construção da primeira escola náutica de Angola, na aldeia do Candumbo (Kicombo) município do Sumbe, província do Kwanza Sul.
Segundo o presidente da comissão executiva do centro de formação marítima de Angola, António Pelé Cardoso, que falava segunda-feira, o projecto está dividido em duas fases. A primeira, avaliada em 17 milhões de euros, começa em Junho próximo até Março de 2011, com a construção dos acessos rodoviários, arruamentos e infra-estruturas gerais.
Disse que a segunda fase do projecto, apresentado oficialmente segunda-feira às autoridades da província, compreende a construção das infra-estruturas escolares e começa em Junho de 2012.
A escola náutica, de acordo com a fonte, poderá formar marinheiros e pessoal de apoio à navegação marítima.
“A frota marítima da Sonangol está a crescer e, tendo em conta o processo de angolanização em curso no sector, devemos formar, nos primeiros cinco anos, 392 quadros angolanos nas especialidades de oficinas e posteriormente os cursos de engenharia de motor e pessoal de navegação,” reforçou.
Disse que hoje os quadros angolanos são formados na África do Sul, Índia e Glasgow (Reino Unido), facto que tem sido bastante oneroso para o país.
“Tivemos a ideia de construirmos esta escola. Contudo docentes dos referidos países terão oportunidade de leccionar aqui”, disse.
Na ocasião o governador do Kwanza Sul, Serafim do Prado disse que o início das obras vai de encontro com as aspirações o governo, mas fundamentalmente da população, tendo em conta o valor social que criará para aldeia de Candumbo, a comuna do Kicombo
A implementação deste projecto, segundo o governador do Kwanza Sul, vai permitir a construção de casas sociais para alojar mais de 250 famílias que vivem ao redor da futura escola.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Sexta Maio 28, 2010 10:03 pm

28-05-2010 20:59

Sonangol
Publicado dicionário de Petróleo em Língua Portuguesa

Luanda
-
Um dicionário do sector dos Petróleos em Língua Portuguesa foi lançado hoje (sexta-feira), em Luanda, pela Sociedade Nacional de Combustíveis (Sonangol), em colaboração com o Instituto Brasileiro de Petróleo e Biocombústiveis, Petrobrás e a Partex de Portugal.
O dicionário, fruto da cooperação entre Angola, Brasil e Portugal no domínio dos hidrocarbonetos, comporta 635 páginas, repartidas em sete capítulos e explica de forma clara e objectiva as principais referências e terminologias utilizadas no sector petrolífero.
A obra facilita a linguagem e compreensão dos termos técnicos usados na indústria do petróleo e é uma verdadeira contribuição para os que actua ou pretendam actuar no sector, incluindo jornalistas e estudantes.
No acto de apresentação da obra, o ministro dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, informou que o dicionário de Petróleo em Língua Portuguesa foi publicado pela editora Lexikon.
O livro, segundo o ministro, que já foi apresentando no Rio de Janeiro e em Lisboa, é uma obra de referência não só por ser a primeiro do género, mas também e, sobretudo, porque reúne e fixa em português, por ordem alfabética, os termos correntemente utilizados na indústria petrolífera, nas áreas de exploração, desenvolvimento e produção.
De acordo com Botelho de Vasconcelos, dos 900 mil artigos, alguns chamam a atenção do leitor para a terminologia utilizada em cada um dos três países (Angola, Portugal e Brasil) e quando ela é diferente, aparece entre parêntesis o nome do país e se, porventura, não existir o vocábulo em português utiliza o termo em inglês.
Segundo o ministro, a obra poderá exercer ao mesmo tempo um papel de informação e formação e aproximação entre os seus utentes, assim como contribuiu para o enriquecimento da língua. Comporta um glossário trilingue (Inglês, Português e Francês).
Em breve, a obra estará disponível à consulta pública, nas bibliotecas das instituições de ensino superior e em instituições especializadas.
O acto de lançamento do dicionário foi presidido pela ministra do Ensino Superior e Ciência e Tecnologia, Cândida Narciso.
Participaram no acto representantes de empresas petrolíferas que operam no país.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Terça Jun 01, 2010 2:22 am

Investimento
Angola oferece oportunidades para investimento

Luanda
O economista angolano Afonso Chipepe afirmou hoje, em Luanda, que Angola oferece diversas e atractivas oportunidades de investimentos, rentáveis em várias áreas da economia real.
“Existem oportunidades para investir nas áreas da agricultura, agro-indústria, construção civil, infra-estruturas, desenvolvimento e gestão de infra-estruturas, entre outras”, disse Afonso Chipepe em declarações à Angop.
Segundo o interlocutor, o estado actual das províncias carece de alguma intervenção de investimento privado em quase todos os sectores, sobretudo projectos ligados à agricultura, construção civil, água, energia, turismo e hotelaria, indústria de processamento e extracção de mineiro.
A implementação de projectos nestas áreas, por parte dos investidores privados, adiantou, ajudaria as províncias a desenvolverem-se, criando novos postos de trabalho para juventude, facto que evitaria o êxodo rural das populações para a capital do país.
Recordou que já existem em Angola políticas de incentivo ao investimento nacional e estrangeiro.
Apontou um dos instrumentos criados pela Agência de Investimento Privado, ANIP, no domínio das novas tecnologias de informação, que permite a obtenção de mais proximidade com os potenciais investidores estrangeiros, que já não necessitam de se deslocar a Angola para apresentarem as suas propostas de investimento.
"Este é mais um incentivo aos investidores no sentido de desburocratizar o processo de investimento numa determinada região do país" referiu.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal

Re: ECONOMIA, INVESTIMENTOS,...

Mensagempor paulo gonçalves em Quinta Jun 03, 2010 1:23 am

Benguela
Missão empresarial holandesa diz haver segurança para investimentos

Lobito
-
Os empresários holandeses consideraram nesta terça-feira, na cidade do Lobito, província de Benguela, que Angola é um país seguro para aplicação de todo tipo de investimentos.
Em declarações à imprensa, à margem do encontro com as autoridades do governo de Benguela, o chefe da missão dos empresários da Holanda, Vincent Van Halsema, salientou que a tranquilidade que se regista nas vias rodoviárias demonstram que Angola é um país seguro.
O empresário informou que a missão está entusiasmada por constatar que o país tem vários sectores que podem ser explorados em grande escala.
Os empresários holandeses, no total de 15 pessoas, desejam investir nos ramos de Agricultura, Pecuária e na Indústria de Lacticínios.
No contacto com as entidades governamentais em Benguela, os empresários holandeses foram informados da existência de várias oportunidades de negócios, sobretudo no ramo da Agricultura.
De acordo com o director provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, Abrantes Sequesseque, em declarações à imprensa, Benguela precisa de investidores que, em parceria com as empresas angolanas, possam desenvolver o sector agrícola.
Os empresários holandeses, que se encontram no país desde segunda-feira, visitaram, com o mesmo propósito, também a província da Huíla e agora estão a caminho do Huambo.
Avatar do utilizador
paulo gonçalves
Administrador do fórum
 
Mensagens: 7197
Registado: Quarta Maio 27, 2009 9:40 am
Localização: Porto Espada - Marvão - Portugal
---------

AnteriorPróximo

Voltar para ANGOLA - OUTROS TEMAS

Quem está ligado

Utilizadores a navegar neste fórum: Nenhum utilizador registado e 0 visitantes

cron